Terceiras Impressões

YAQUI DELGADO QUER QUEBRAR A SUA CARA

NÃO FIQUE SÓ OLHANDO!

De acordo com o dicionário, bullying é um ato agressivo sistemático, envolvendo ameaça, intimidação ou coesão, praticado contra alguém, por um indivíduo ou um grupo de pessoas. Ocorre geralmente em escolas, porém pode ser praticado em qualquer outro local. Trata-se de ação verbal que pode, em situações extremas, evoluir para agressão física.

Yaqui Delgado quer quebrar a sua cara
Meg Medina – 2013

Editora Intrínseca (edição 2015)
Páginas: 272

Contracapa: Piddy Sanchez não tem descanso. Ela acabou de mudar de bairro e de escola e ainda por cima sente que a melhor amiga a está ignorando. No ensino médio do novo colégio, seu corpo atraente desperta tanto os olhares dos meninos quanto o da esquentada Yaqui Delgado, que não a vê como parte do grupo de latinas e começa a fazer cruéis ameaças à novata. Denunciar não é uma opção. Fugir não adianta. O importante agora é sobreviver.

PRIMEIRAS IMPRESSÕES: Já havia ouvido falar da Meg Medina, mas nunca tinha lido nenhuma obra dela. Comprei esse livro por acaso, em uma promoção, porque a capa metalizada e obviamente o título agressivo me chamaram a atenção muito mais do que a sinopse na contra-capa, mesmo se tratando de um tema que me interessa. Ficou encostando na prateleira por uns meses. Na minha cabeça era mais um romance adolescente genérico (que eu até gosto, aliás), mas não estava no clima para ler esse gênero ainda, pois havia acabado de terminar A Dança dos Dragões. Pois é.

SEGUNDAS IMPRESSÕES: Comecei a leitura sem expectativa alguma. Na realidade, até a página 38 achei um pouco monótono, embora entendesse a necessidade de situar a história. Estava quase decepcionada, mas insisti; a orelha do livro dizia que entrou na lista da YALSA de Melhores Livros de Ficção para Jovens Adultos de 2014 e não se daria sem algum mérito. Mas então, finalmente a história me pegou. Definitivamente, não era só mais um livro adolescente genérico. Era sobre bullying, duro, real e preocupantemente comum. E isso é assustador. Me vi sofrendo e chorando com Piddy, e lembro que no ápice da história, deixei escapar um grito, me sentindo tão humilhada e impotente quanto ela. Entendi perfeitamente cada traço em suas atitudes e suas mudanças físicas e psicológicas que eram percebidas pela maioria de forma superficial, quase como uma rebeldia sem causa.

O desenrolar acontece sem muitas reviravoltas, sendo até mesmo previsível às vezes, — o que não diminui as virtudes da obra — mas de um modo geral, os eventos se resolvem de forma satisfatória, embora eu tenha sentido falta de uma conclusão um pouco mais complexa em relação a alguns sub plots.  

Vale a menção aos personagens maravilhosos: Lila e Rob — à eles, todo o meu amor — e a história do Joey e sua família, que são os vizinhos que fingimos não ver. Quanto à Yaqui, gostaria de ler mais sobre ela, conhecer seu ponto de vista e sua raiva e revolta.

“Ando pensando ultimamente que crescer é com passar por portas de vidro que só abrem em uma direção; você pode ver de onde veio, mas não pode voltar. Ao menos para mim é assim”.

TERCEIRAS IMPRESSÕES: Eu fiquei aqui tentando escrever essa parte durante um bom tempo. É tanta coisa para se falar sobre esse tema, tanta coisa para refletir, que fica difícil não soar repetitiva. Isso é um problema mundial, não é só “coisa de americano”. Pesquisas mostram que mesmo sendo um assunto que ganhou espaço para discussão, houve um aumento nos casos de bullying nas escolas brasileiras. O que aconteceu com Piddy pode acontecer (e acontece) por aqui também, de formas mais horrendas, inclusive.

Assim que terminei a leitura veio à mente esse post do blog maravilhoso Oficina da Lizque me perturbou durante um bom tempo e fez eu me perguntar quantos casos parecidos presenciamos e simplesmente calamos. NÃO FIQUEM SÓ OLHANDO!

LEIA:
1/3 dos estudantes brasileiros afirma ter sofrido bullying, diz IBGE
• BULLYING É VIOLÊNCIA E VAI ALÉM DOS MUROS DA ESCOLA

 

  • Alessandra Tapias

    Tenho este livro, mas não li ainda… Enfim, depois das suas impressões eu tenho certeza que amarei a leitura. Sem dúvidas.
    Adorei a resenha e o blog também ♥

    Bjks

    • Ah, obrigada por comentar!
      É uma leitura rápida, vale um tempinho. 🙂

  • Vitor Rezende Viana

    Gostei muito da resenha, parece sincera nas criticas e elogios. Eu só fiquei na duvida se gostaria ou não, mas se cair na mão, leio (:

    • Não é nada extraordinário, mas com certeza representa alguma coisa para quem está familiarizado com o tema. 🙂

  • Conheço esse livor há algum tempo e tenho muita curiosidade com ele, acredito que ele mexa com a gente de alguma forma e que a mensagem que ele traz é muito importante para abrir os olhos da sociedade.

    • Sim, principalmente se você já passou por isso ou é próximo de alguém que passou.

  • Aline Belloni

    Olá, eu tenho procurado por leituras assim, mais “verdadeiras”, na tentativa de fugir um pouco do gênero de fantasia. E tenho que essa se encaixa perfeitamente nesse quesito. Vou procurar por ela.
    Beijos

    • Fantasia é um dos meus gêneros preferidos, mas recentemente não tenho dispensado um bom drama. haha

  • Um tema atual, ainda mais no mundo escolar. Não conhecia o livro, e apesar destes pequenos detalhes, vou anotar a dica.
    Beijos.

  • Angélica Felix Lima

    Oi, tudo bem?
    Gosto dessas leituras reflexivas!
    Não conhecia o livro, e é bem interessante, quem sabe eu leia futuramente!
    Bjs

  • Gabriela Cerqueira

    Nossa, eu sempre quis ler esse livro, ele está na minha lista de leituras a um bom tempo e eu já tive oportunidade de compra-lo e deixei lá para pegar outro, depois da sua resenha confesso que me arrependo, quero muito lê-lo, entrou para minha lista de desejados.

  • Ludimila Silva

    Gostei muito da sua resenha.
    Não podemos nos calar mesmo!
    Isso é um assunto muito sério, e que aqui no Brasil ainda tem as pessoas que falam “passei por isso e aquilo, e não morri” para justificar o Bullying que vemos.
    Mas tem aquelas pessoas que sofrem tanto a ponto de tirar a própria vida! Então não vamos nos calar! Serão nossos filhos na escola daqui a pouco e nao pode ser assim.
    Leria esse livro com certeza!

  • Lorena Caribé

    Olá! Ótima sua iniciativa de trazer esse tema para o blog. Amei sua resenha, ainda não conhecia. Vale a pena conhecer e compartilhar, bjoo

%d blogueiros gostam disto: